Pare de cometer esses erros e arrebente nas suas apresentações

Quando estamos apresentando projetos importantes, é comum que a empolgação nos faça falar demais, cortar nosso interlocutor durante seu raciocínio, repetir palavras e até mesmo ter brancos devido ao nervosismo. Nesse ponto de vista, você tem alguma crença limitante sobre esse assunto ou já se sentiu incapaz de desenvolver bons discursos? Então, esse texto é para você.

Glossofobia, do grego: glōssa (γλῶσσα), “língua” + fobos (φόβος), “medo” ou “temor”, representa o medo de falar em público.

Até pode parecer que não, mas ele persegue muita gente.

De acordo com o Sunday Times, as pessoas temem menos a morte do que um palco, uma plateia, alguns holofotes e um microfone.

Assim, na hora de desenvolver essa habilidade, muitos pensam que só quem fala bem é quem nasce com dom, quem tem a voz boa, quem não gagueja e quem não fica nervoso.

Porém, isso não existe. 

Nesse sentido, a oratória é uma People Skill, ou uma capacidade socioemocional.

Um dos significados dessa afirmativa é que todos aqueles que quiserem desenvolvê-la e aprimorá-la podem fazer isso principalmente você, basta, primeiramente, acreditar que é capaz.

Agora que você sabe que precisa tomar as rédeas da situação e assumir o protagonismo do seu desenvolvimento, vamos a mais dicas: 

Escute mais, fale menos!

Já ouviu falar de escutatória? Rubem Alves criou esse termo como um primo próximo da oratória para explicar o que seria a arte de saber ouvir.

Diante disso, o autor costumava dizer que todo mundo queria aprender a falar, só ninguém queria aprender a ouvir. Um fato, concorda?

Female patient listening to doctor in medical office. https://elements.envato.com/pt-br/photos/escutar

É comum não esperar a pessoa com quem estamos conversando acabar de expor seus posicionamentos para dar nossa opinião sobre o assunto em questão, dentre outras coisas.

Acontece que escutar com atenção e refletir sobre o que está sendo falado, estando presente em corpo e pensamento, é mais difícil do que se imagina.

Entretanto, assim como a oratória, a escutatória também pode e precisa ser desenvolvida e para dar esse passo é importante identificar que tipo de ouvinte você é.

Fundamentalmente, existem 7 tipos principais: 

Tipo 1: O cara de paisagem

É aquele que não te escuta de verdade, não presta atenção e apenas está presente fisicamente.

Tipo 2: O desfocado

O tipo de ouvinte que não faz questão de disfarçar que não está prestando atenção. É nisso que ele se difere do “cara de paisagem”, que às vezes disfarça.

Tipo 3: O racional

É aquele que não tem a mínima consideração e empatia por você no momento do seu desabafo, pois tem sempre respostas prontas e bruscas, além de interromper imediatamente.

Tipo 4: O do contra

Um parente próximo do racional, uma vez que ele sempre quer mostrar que você está errado, e busca questionar e quebrar o diálogo para mostrar que está certo.

Tipo 5: O ansioso

Interrompe a sua fala e tenta encerrar rápido os assuntos.

Tipo 6: O egocêntrico

Para esse ouvinte: “o meu pior é melhor”. Ele gosta de competir para provar que está sempre em uma situação pior que a sua.

Tipo 7: O conselheiro

Tem todas as soluções na ponta da língua, o que dificulta que as pessoas se abram e expressem suas emoções.

Mesmo diante de tanta variedade, todos esses tipos de ouvinte são incômodos, e mesmo sabendo disso, é fácil se identificar com alguma dessas classificações.

Indo de encontro a isso, o ideal é ser um ouvinte empático e se comunicar de forma não violenta.

Isso significa, de forma mais clara, falar sem machucar e ouvir sem ofender.

Todavia, não quer dizer que devemos ficar calados quando formos mal tratados, mas que devemos ser respeitosos.

É através  do respeito que conseguimos que criar pontes com os outros ,se conectar e aprender coisas fantásticas. 😉

Esteja preparado!

Estar preparado é fundamental para conter o nervosismo, e mesmo em situações em que é necessário improvisar, estar munido com boas técnicas também é uma tática importante para se sair bem em apresentações importantes.
Berlatih Presentasi di Depan Cermin via https://www.videoblocks.com

Para ocorrer tudo bem em reuniões, na banca do TCC ou até em entrevistas de emprego é importante tomar alguns cuidados.

Planejar bem o conteúdo da sua apresentação é uma das coisas que você não pode deixar de fazer, afinal, você pode ficar nervoso e acabar esquecendo alguma coisa que não deveria.

Nesse sentido, quando estiver planejando o que for falar, pense muito bem na linguagem que você vai usar e no tipo de público para qual a sua apresentação será direcionada.

Isso porque todas essas variáveis vão influenciar na construção da sua confiança.

Nessa perspectiva, evite ler slides o tempo inteiro, e tente não usar palavras muito rebuscadas.

Lembre-se, por outro lado, que a sua intenção tem que ser fazer com que as pessoas que estão te ouvindo compreendam a sua mensagem de forma clara.

Por isso, encare o momento da sua apresentação como uma conversa entre amigos em que você pode falar de forma natural.

Durante esse momento, inclusive, vale abusar da simpatia e sorrir, heim? 

Em última instância treine bastante, faça ensaios prévios até se sentir seguro, e saiba que você só vai aprender a falar bem de uma forma: falando.

Respire, não pire!

Você sabia que a forma como você respira influencia a maneira como você reage a certas situações? Já notou que quando alguém está em perigo ou bastante estressado a primeira coisa que muda é a respiração?
Como Controlar a Ansiedade Através da Respiração Diafragmática, http://www.clinicahenko.com.br/2018/09/06/como-controlar-a-ansiedade-atraves-da-respiracao-diafragmatica/

Segundo Cyro Masci, colocamos ar nos nossos pulmões de duas formas principais, no estilo barriga para dentro, peito para fora, ou através do diafragma.

Essas são a respiração torácica, e a respiração abdominal, respectivamente.

Isso posto, profissionais explicam que a nossa respiração deveria ser diafragmática ou abdominal, porque ela oxigena melhor o corpo e assegura benefícios como redução da ansiedade.

A vista de tudo isso, você presta atenção na sua respiração nos momentos em que precisa falar em público? 

Tendo esse cuidado, além de ficar mais tranquilo(a), ficará mais fácil fazer pausas durante a sua fala.

Assim, você pode evitar vícios de linguagem. Esperamos que essas dicas te ajudem a melhorar a sua retórica.  🙂

No instagram do Além da Facul estamos sempre compartilhando conteúdo sobre people skills, liderança, empreendedorismo. Que tal compartilhar esse texto com aquele amigo que precisa parar de cometer esses erros?

Por: Nathália Morais

Deixe seu comentário