Mapeamento de processos – Passos básicos para fazer

Mapeamento de processos - Passos básicos para fazer

Você pode fazer um mapeamento de processos para padronizar seus serviços e até mesmo melhorar os procedimentos implementados na sua empresa, sabia?

A saber, o mapeamento de processos é um mecanismo muito importante para pessoas que precisam transformar sistemas, uma vez que permite o aprofundamento das ações que precisam acontecer nesse cenário.

Mas antes de qualquer coisa, me responda: você sabe o que é um mapeamento de processos? Não? De maneira geral, esse é o método que vai te ajudar a identificar uma sequência lógica das tarefas que fazem parte de um sistema.

Além disso, esse recurso também pode ajudar seu negócio a ser mais competitivo, independente do tamanho que possua.

Continuando, você pode implementar essa prática com diversos objetivos em mente.

Através dela poderá:

  • Entender melhor como seus processos acontecem na prática
  • Realizar correções que podem facilitar e otimizar suas técnicas
  • Gerar documentos que podem ser utilizados para treinar pessoas
  • Padronizar as atividades

Finalmente decidiu que quer fazer um mapeamento de processos? Ótimo!

O primeiro passo para conseguir é responder algumas questões importantes.

  • Qual é a sua finalidade?
  • Existem limites para formá-lo? Quais?
  • Quais são os inputs e outputs?
  • E as atividades que precisam ser realizadas?
  • Quem participaria e qual seria o principal responsável?
  • O que você utilizará como recurso?
  • Quais são suas expectativas?
  • Quais são as dificuldades e riscos existentes?

Decerto que tendo isso em mente você já pode começar a fazer o seu mapeamento.

Existe apenas um tipo de mapeamento de processos?

Em síntese, você pode se deparar com três tipos de mapeamentos diferentes: os processos primários, os processos de apoio e os processos de gerenciamento.

A princípio, o primeiro tipo também é conhecido como essencial, e está relacionado, sobretudo, a entregar valor para o consumidor.

Já a segunda classificação representa os mecanismos que geram valor para os dois outros tipos de processos(primários ou de gerenciamento).

Ademais, você também pode chamá-los de processos de suporte.

Já o último tipo, por outro lado, agrega valor para os processos de apoio, ou para os processos primários.

Analogamente a isso, também é importante falar um pouco sobre nível de profundidade, já que isso vai determinar qual o nível de detalhes que você precisará capturar.

Seja como for, existem três níveis, conhecidos como descritivos, analíticos e executáveis.

Juntamente com a realização do mapeamento, você conseguirá ver as tarefas que precisam ser feitas ao longo do tempo.

Por fim, vamos à prática.

Como mapear processos?

Primeiramente estabeleça quais processos vai mapear.

Nesse sentido, não acredite em quem te falar que mapear todos os seus processos ao mesmo tempo é uma boa ideia.

Não vale a pena e você só vai perder tempo, recursos e claro, energia.

Em segundo lugar, você precisa estruturar um mapa para o processo que decidiu mapear.

Ou seja, é necessário fazer uma representação gráfica para expor os dados de entrada, as atividades e também as informações de saída.

Depois de validar seu mapeamento, é hora de avaliar se o processo funciona e se é eficiente.

Você já fez um mapeamento de processos? Conta para a gente.

Lembre-se que pode contar conosco para continuar se desenvolvendo.

Até mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *