Economia criativa – Como funciona e quais os setores?

Economia criativa - Como funciona e quais os setores?

Você já ouviu falar em economia criativa? Esse termo está muito em evidência atualmente, visto que estamos inseridos em uma época em que o progresso não mais tem só relação com o crescimento econômico.

A saber, ao pensar em economia criativa, você pode associar esse setor como uma nova maneira de pensar em desenvolvimento, em que os veículos tecnológicos, a cultura e a mudança, coexistem com a sustentabilidade.

Contudo, não é só isso. Economia criativa também é, conceitualmente, um grupo de mercados que se baseiam em recursos racionais e culturais para produzir lucro.

Em síntese, o mercado criativo incentiva a produção de renda, gera empregos e também lucro de exportação, porém também estimula a diversidade e o desenvolvimento das pessoas.

Sob o mesmo ponto de vista, esse setor é muito amplo e engloba as etapas de produção e divisão de produtos e serviços, e também sua distribuição.

Além disso, essa área gera bastante lucro para a economia.

Então, cabe a você e a todos os empreendedores que sintam vontade, transformar suas capacidades nesse setor em oportunidades para gerar negócios de sucesso.

Categorias da economia criativa

De acordo com a UNCTAD, existem quatro setores principais nos quais esse segmento pode ser classificado:

  1. Artes;
  2. Mídia;
  3. Patrimônio;
  4. Criações funcionais.

Nesse sentido, no setor de patrimônio é possível encontrar principalmente expressões e sítios culturais.

Se você escolher analisar o eixo das artes mais profundamente, por outro lado, irá encontrar o campo das artes dramáticas e visuais.

Por conseguinte, em relação ao espaço de mídia, você pode estudar as áreas de publicidade e audiovisual, por exemplo.

E a mesma classificação acontece no último caso, que engloba principalmente o segmento de design.

A propósito, esses setores têm como principal objetivo, gerar produtos e serviços que emanem um valor simbólico que impacte decisivamente os níveis culturais, econômicos e sociais.

Analogamente, a indústria criativa pode ser agrupada das seguintes formas:

  • Apoio: auxiliam indiretamente.
  • Indústrias criativas propriamente ditas: as ideias são o carro chefe do negócio.
  • Atividades relacionadas: empresas que apoiam ou fornecem algum material para a empresa criativa.

Por exemplo: A empresa criativa pode ser um negócio que filma casamentos.

A empresa de apoio, nesse cenário, seriam os negócios que cuidam da manutenção das câmeras do videomaker.

Por fim, as lojas nas quais a empresa compra os equipamentos, seriam as empresas do setor de atividades relacionadas.

Como isso funciona no nosso país?

Como você deve imaginar, esse setor é bem mais avançado em outros países do que aqui no Brasil, entretanto esse quadro está começando a mudar desde que uma secretaria destinada ao assunto foi criada.

Assim, passou-se a dar mais atenção ao tema.

Atualmente políticas públicas transversais são incentivadas, porém o orçamento destinado à economia criativa ainda não é o bastante para que esse setor cresça como tem potencial para fazer.

Espero que tenha gostado das curiosidades sobre economia criativa.

Não se esqueça que estamos aqui se quiser se desenvolver conosco.

Até breve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *