Como começar um negócio mesmo sem ter dinheiro

Dicas de ouro do marketing digital: o empreendedor em início de jornada faz tudo junto ao mesmo tempo. Mas calma! Tudo pode ser feito de maneira ordenada. Com disciplina e criatividade, é super possível criar a empresa dos seus sonhos sem, inicialmente, gastar um centavo. Selecionamos técnicas e ferramentas gratuitas  usadas no Marketing Digital para você tirar o seu projeto do papel e garantir que tudo vire realidade.

Muitas pessoas sonham em ter seu negócio próprio. Pode ele ser no ramo da gastronomia, saúde, tecnologia e, até mesmo, da educação. Não há limites para quem tem a criatividade de pensar em um negócio com causa e que, ao mesmo tempo, seja uma fonte de renda confiável. Os desafios para abrir uma empresa – e, em consequência, mantê-la funcionando sem riscos – são gigantescos. Os iniciantes estão no grupo entre os quais mais se preocupam em fazer um projeto confiável. Apostam, muitas vezes, suas fichas em grandes ideias. Trazem na mochila temas incríveis, necessários e, depois deste processo, encaram a realidade da pouca ou nenhuma grana para seguir em frente.

Créditos: geralt / Pixabay

Ter a conta zerada, entretanto, não significa que você tem que engavetar seu projeto. Pelo contrário! Como já cantam os Titãs, “é caminhando que se faz o caminho”. E caminhos há muitos. Histórias para se inspirar também. Sendo assim, selecionamos algumas dicas bem preciosas para você pensar duas vezes antes de engavetar seu projeto. Bora conhecer?

1. Estabeleça uma relação sincera com o seu cliente

Nem pense em ficar fora da internet. As pessoas estão lá e você precisa saber usar as redes e a tecnologia a seu favor. E os caminhos não são tão inalcançáveis a ponto de você não conseguir, por exemplo, abrir uma página no Instagram. Para tanto, é preciso entender qual é o seu nicho de mercado e seu público alvo. 

Você precisa saber com quem está conversando e, por conseguinte, pensar em maneiras de contar para as pessoas o que você faz, o que você pensa e, claro, o que você vende. Tenha em mente o seguinte: mesmo sem ter dinheiro, uma das poucas coisas que você precisa ter é paciência e disciplina. Sendo assim, você…

  • Precisa atrair o seu cliente: 

Aqui está um dos principais desafios. Uma vez que você já entendeu que necessita estar presente nos ambientes digitais, você precisa dizer para sua audiência o quanto seu conteúdo é relevante para a vida dela. Sendo assim, é necessário construir uma narrativa através de conteúdos relevantes. Sua cabeça já precisa pensar em ser a referência no seu ramo de mercado. Escreva sobre seus produtos e serviços com criatividade e clareza. Isso gera uma relação de confiança com a sua audiência e a educa a entender que nos seus canais há um material confiável para consulta. Disciplina é uma qualidade maravilhosa para esta etapa.

Créditos: mstandret / Envato
  • Precisa converter o seu cliente para vendas futuras

Depois que você passa da etapa de criação de conteúdo relevante para a sua audiência, entramos para a etapa de conversão de cliente. Aqui ele precisa entender que, além de um conteúdo super legal, ele pode consumir coisas – sejam eles produtos ou serviços. Na linguagem do Marketing Digital, é necessário gerar leads, isto é, gerar interesse do seu negócio nas pessoas, a ponto de estabelecer um contato entre a empresa e o usuário.

  • Precisa analisar o seu relacionamento e venda para com o cliente: 

Depois que já houver uma boa base de leads, o próximo passo, é começar a construir uma conversa com seu público. Falaremos mais adiante e detalhadamente sobre isso, mas já fique por dentro que, para esse relacionamento acontecer, você precisa ter redes sociais e email marketing para começar com o pé direito.

  • Precisa vender para o seu cliente: 

A venda no ambiente digital acontece de maneira clara. Você já tem uma audiência que gosta do seu conteúdo, já criou um vínculo e se relaciona com ela. Agora você comunica os produtos e serviços que tem a oferecer. 

  • Precisa analisar todo o processo para evoluir sempre:

Faça uma análise sincera do seu trabalho. Desde o início. Veja se, de fato, conseguiu atrair o cliente que deseja, se ele está fidelizado, se o produto que você está vendendo está gerando interesse e dinheiro. Faça uma análise detalhada das métricas oferecidas pelas rede sociais e pelo email marketing. Tendo esses números, por exemplo, é possível dimensionar estratégias, pensar em novos produtos, novos conteúdos e novas formas de relacionamento.

2. Conheça as ferramentas adequadas para mostrar o seu negócio

  • Site

Há pelo menos dois sites gratuitos que você pode usar para começar o seu negócio: Wix e WordPress. Wix funciona muito bem para sites pequenos, sem muitas páginas e que não precise de atualizações constantes com novos posts ou novas notícias. Se você pensa em ter uma loja virtual, por exemplo, este pode ser um bom caminho de início. Você não precisa ter conhecimento técnico para colocar o site no ar. Já o WordPress é indicado para aqueles empreendedores, cujos sites serão mais acessados – como por exemplo, blogs e notícias. Neste ambiente, é possível otimizar ferramentas de busca do Google, como por exemplo o SEO. 

  • Redes Sociais

Vamos entender que cada Rede Social tem a sua importância e hoje há uma lista considerável de páginas que são utilizadas para que se estabeleça uma relação com o cliente/ audiência. Para abrir e gerir não é necessário desembolsar um centavo. A coisa começa a pedir investimento quando você passa  querer a ampliar sua visibilidade e patrocinar posts, mas isso é uma conversa para outro momento. 

Os mais populares são Facebook, Instagram, Pinterest e Linkedin, Twitter, Whatsapp, Telegram, Youtube e Spotify. Lembre-se que que elas precisam ser alimentadas constantemente, então faça uma escolha inteligente sobre aquela que você quer se dedicar no momento. Falemos, então das principais:

Crédito: Pixelkult/ Pixabay 

Do ponto de vista do negócio, o Facebook é bastante usado em grupos fechados, na criação de comunidades. Assim sendo, é muito comum encontrar grupos de vendas para determinados produtos ou serviços. Há também grupos de bairros e regiões, onde os empreendedores apresentam seus negócios. Aqui você tem dois caminhos:  ou você entra em grupos que já existam para anunciar seu trabalho, ou então cria a sua própria página e trabalha para que ela possa crescer e atingir o maior número de pessoas. É tudo de graça! 

Já o Instagram tem como carro chefe o bom trabalho de imagens (quando pensamos no feed) e uma certa relação de proximidade de relacionamento (quando pensamos nos stories). Esta é uma das ferramentas mais usadas hoje em dia, muito por conta do uso e aceitação de grande parte das pessoas ao redor do mundo. Você pode mostrar os bastidores da sua produção, oferecer informações relevantes, oferecer opções de vendas, fazer lives com parceiros ou com pessoas/ instituições que julgue necessário para o desenvolvimento do seu negócio. Para o caso do Instagram, o empreendedor obrigatoriamente precisa ter uma página profissional. Desta forma é possível fazer análise de dados de acesso, perfil do usuário e muito mais.

LinkedIn, por suas vez, é a rede  que mais tem o propósito profissional. Neste ambiente, é possível escrever artigos em que sejam mostrados os seus posicionamentos sobre diversos assuntos, bem como compartilhamento de notícias que sejam consideradas relevantes para o desenvolvimento do seu trabalho. Além de você mostrar todo o seu histórico profissional (como se fosse um currículo), você faz contatos com profissionais do seu interesse. É possível, até, encontrar investidores e sócios para o seu negócio. A plataforma oferece a opção de chats de conversas, tal qual no Facebook e Instagram, e isso pode otimizar muito a comunicação. O LinkedIn foi criado exatamente para essas conexões profissionais, então não precisa ter vergonha em abordar quem quer que seja.

Não esqueçamos também da importância do email marketing. Ele serve para estabelecer uma relação entre empresa e consumidores, com mensagens direcionadas através de disparos de email. Esse disparo é feito a partir de segmentação de contatos. Por ali, o público pode receber ofertas, promoções, confirmação de compra e newsletter. Uma das ferramentas mais usadas para este tipo de ação é o Mailchimp. Para quem está começando, ele oferece a possibilidade  de envio para até 10 mil destinatários por mês, com limite de 2 mil por dia. O número de contato máximo para essa versão grátis é de 2 mil.

  •  Uma carinha bonita para as suas publicações
Créditos: DragonImages / Envato

Uma vez que estamos lidando com redes sociais e ferramentas digitais, não podemos esquecer que inserir boas imagens na publicação faz parte do trabalho diário. Para isso, ter acesso a um banco imagens também se faz importante. O Pixabay, por exemplo, cumpre bem essa função. Você entra no site, digita o tipo de imagem que deseja e pronto: é só baixar e usar, dando os devidos créditos. Todas as imagens que estão lá  podem ser usadas gratuitamente. A busca pode ser feita em português ou inglês.

E para dar uma aparência mais profissional ainda para as suas postagens, o Canva é uma boa opção e também tem uma versão gratuita. Há variedade de templates para redes sociais, além de opções de currículos, propostas, relatórios e muito mais. O trabalho do empreendedor vai ser apenas inserir a informação que deseja, dentro do modelo escolhido. Dá pra alterar cor do arquivo, tamanho e estilo da fonte. Dá também para inserir fotos.

3. Faça boas parcerias

Crédito: Alexas_Fotos/ Pixabay

Esta é uma tendência relevante no mercado de trabalho. Ter bons parceiros agrega valor ao seu negócio e o melhor: todo os lados saem ganhando. Parceria é um sistema de troca e de ganha-ganha. Você troca conhecimento, ensina, aprende, discute os assuntos e, claro, reúne clientes em potencial. 

Para tanto, é necessário saber fazer as escolhas certas. Para começo de conversa, tente responder às seguintes perguntas: qual é o público que você quer atingir. Qual seria a parceria ideal para que você fortaleça a fraqueza do seu negócio? Um caminho interessante para estabelecer boas parcerias pode ser o seguinte:

  • Faça o primeiro contato com aqueles parceiros que você entenda serem importante para o seu negócio.
  • Evolua a conversa para uma reunião. Neste momento são alinhadas as expectativas de cada lado da parceria – o que cada um pode fazer, o que cada um pode entregar e como os resultados deste trabalho podem ser avaliados.
  • Formalize a parceria por email.
  • Apresente o parceiro para seu público e seja apresentado para a audiência do parceiro.

4. Por fim, gera uma graninha com o cadastro em sites freelancers

Trabalhar para que seu negócio é importante. Gerar uma graninha extra para dar conta dos seus gastos mínimos também. Uma das maneiras de isso acontecer se dá através do cadastro em plataformas nacionais e internacionais. Veja alguns destaques:

99 freelas

A plataforma é uma das maiores nacionais e tem oportunidades para profissionais de diversas áreas. A maior parte dos jobs são para programador, redator, designer, desenhista, editor e tradutor, mas também existem tarefas para outras áreas

Crowd

Oferece freelas em áreas como fotografia, redação, tradução, planejamento, design, áudio e vídeo, conteúdo, tecnologia e performance.

UpWork

São várias as áreas de atuação buscadas: desenvolvimento web, mobile e software; design e criatividade; suporte administrativo; TI; escrita; vendas e marketing; tradução; engenharia e arquitetura; jurídico; entre outros.

GetNinjas

Atua nas frentes de serviços de comunicação e TI, mas também outros de reformas, aulas, saúde, serviços domésticos, entre outros.

Workana

É o maior site latino para troca de freelas e tem cadastro gratuito, embora você possa assinar um plano premium para ter vantagens diante dos seus concorrentes. A plataforma tem uma navegação super fácil e também ajuda os freelancers com ferramentas como tabelas de controle do fluxo de trabalho.

Por Keila Baraçal

2 comentários em “Como começar um negócio mesmo sem ter dinheiro”

  1. Legal o texto, no entanto, seria melhor o título: como começar um negócio digital sem ter dinheiro.
    Tendo em vista que não foi falado nada sobre como começar outro tipo de negócio sem capital. Acredito que ao comentar de negócios no geral, sem dinheiro, seria legal comentar sobre montar o projeto do negócio, para com isso, buscar capital de terceiros, seja um empréstimo, sócio, ou investidor.
    Neste sentido, acredito que o empreendedor, quando encontra-se nesta situação, possui dois ativos, a ideia e sua capacidade de execução, e o melhor caminho para conseguir este capital, é convencer outra pessoa do valor e confiança desses ativos.

Deixe seu comentário