Capital subscrito: O que é e como analisar

Capital subscrito: O que é e como analisar

Você já ouviu falar em capital subscrito?

Sabia que através do capital subscrito você pode ter mais solidez no seu negócio?

Mas antes de falar mais sobre isso, é válido pontuar que o capital subscrito é o valor que é prometido pelos sócios para formar a base financeira do negócio.

A saber, isso é mais importante ainda no período inicial da empresa.

Em outras palavras, é quando você e os seus sócios contribuem com uma certa quantia, com o objetivo de compor um capital social.

Por isso é tão importante compreender quais são as dinâmicas desse mecanismo para conseguir saber se investir em determinada organização é uma boa escolha para você.

Capital subscrito de uma empresa

No momento em que um estabelecimento é aberto, o grupo de sócios oferta uma quantia para investir no negócio.

Nesse sentido, isso pode surgir através de ações ou de cotas.

Isso vai depender do tipo de sociedade que você estiver integrando, que podem ser anônimas ou de responsabilidade limitada.

Dessa maneira, enquanto sócio de uma organização você deve se empenhar em efetuar suas cotas ou ações, com base nas disposições que estarão no contrato social.

Outro ponto interessante é que esse valor pode ser alocado através de dinheiro, e até de bens.

Portanto, aqui entram propriedades imobiliárias e até automóveis.

E o capital integralizado?

Esse capital se forma no momento em que você fornece o capital subscrito.

De outra maneira, esse valor passa a fazer parte de todo o capital social do negócio.

Você sabe o que isso quer dizer?

Basicamente é toda a quantia que existe à disposição da empresa possível de ser aplicada.

Isso, claro, com base no objetivo social do negócio.

Agora imagine que um dos sócios subscreve um valor, e chega a perder o prazo para depositar a quantia.

Você sabe o que passa a acontecer?

De forma simples, o débito passa a ser conhecido como capital a integralizar.

Nesse sentido, o conceito do capital a integralizar também está relacionado a todo o montante subscrito.

A diferença é que a quitação desses valores não está resolvida.

E sim, nem sempre as pessoas integralizam o valor total da quantia que foi subscrita.

À medida em que isso é feito, novos débitos são formados com a organização, e um novo prazo é definido para que a integralização aconteça.

Depois de ler isso tudo, você precisa saber qual é a importância desse artifício para a sua empresa, pois assim vai ser mais simples implementá-lo.

De forma geral, ao ter esse tipo de ação no seu estabelecimento, você terá recursos suficientes para conseguir estabilizar a sua operação, e assim começar a lucrar.

Se tem alguém para começar um negócio com você, fique sabendo que vai precisar fazer um registro de contrato, em que você e o seu sócio devem se comprometer em contribuir.

Espero que você tenha entendido um pouco mais sobre o capital subscrito.

Conte sempre com a nossa equipe para se desenvolver.

Até a próxima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *