Assédio no trabalho: A importância desse debate

Assédio no trabalho: A importância desse debate

Hoje vamos abordar um importante e delicado tema: o assédio no trabalho.

Inclusive, é possível que você já tenha sofrido algum tipo de assédio no trabalho, e nem saiba.

Podemos definir o assédio no trabalho como qualquer tipo de situação que gere constrangimento ou humilhação ao funcionário, podendo ser moral ou sexual.

Primeiramente, cabe destacar que o assédio não é apenas uma brincadeira, especialmente para a pessoa ofendida.

Antes de qualquer coisa é bom que fique claro que assédio é crime!

Nesse sentido, dentre as principais práticas que configuram o assédio moral, podemos destacar:

  • Chamar funcionários por apelidos
  • Gritos
  • Piadas sobre sotaque, gênero, peso, idade etc.
  • Ofensas
  • Metas abusivas
  • Jornada de trabalho excessiva
  • Gerar constrangimento na frente de colegas
  • Comparação com outros funcionários

Mas como dito anteriormente, qualquer tipo de constrangimento pode ser caracterizado como assédio.

Portanto, o principal ponto a ser considerado é a liberdade oferecida pelo colaborador.

Afinal, se o funcionário permite ser chamado por um apelido, e inclusive se apresenta desta forma, neste caso não haveria assédio.

Fique ligado nisso!

E quanto ao assédio sexual?

Agora falando sobre o assédio sexual, é válido falar que ele pode ocorrer de forma mais direta, ou a partir de alguns comentários aparentemente despretensiosos, como destacamos a seguir.

  • Comentários sobre roupas ou atributos físicos
  • Convites pessoais, geralmente relacionados à uma possível promoção
  • Piadas de cunho sexual
  • Contato físico, como toques indesejados
  • Compartilhamento de conteúdo pornográfico em canais de comunicação
  • Ameaças/pedidos que condicionem a manutenção do emprego

Da mesma forma, qualquer tipo de assédio é grave, e deve ser extinto.

Entretanto, o assédio sexual tende a ser um tema mais delicado.

Este tipo de prática pode ocorrer com qualquer gênero, mas, na grande maioria dos casos, as mulheres são as vítimas mais comuns.

Se você for mulher já deve saber do que estou falando, infelizmente.

A saber, essa prática pode ocorrer de forma física ou verbal, e assim como o moral, podem ser horizontais ou verticais.

O assédio vertical é praticado por superiores/chefes da organização, enquanto o horizontal ocorre por práticas de colegas do mesmo nível hierárquico.

Sofro assédio no trabalho – o que fazer?

Assim, caso você identifique qualquer tipo de assédio, seja ele moral ou sexual, recomendamos que fale com o assediador, preferencialmente documentando.

Saiba que este contato pode ser por meio do envio de uma mensagem, ou na presença de alguma testemunha, sem o intuito de causar constrangimento.

Contudo, se o problema persista, não tarde em reportar ao seu gestor ou ao departamento de Recursos Humanos (especialmente se o gestor for o assediador).

Ademais, em situações mais graves, o caso deve ser levado ao proprietário da empresa, ao sindicato, ou à justiça por meio de uma ação trabalhista.

Aliás, fiscalizar tais práticas e oferecer um ambiente adequado, livre de qualquer tipo de assédio, é obrigação de todas as empresas.

A prática do assédio, independente de sua forma, pode gerar problemas de saúde para o colaborador, sejam físicos ou psíquicos.

Para a empresa, pode reduzir a produtividade, gerar o afastamento de funcionários, gerar multas, processos judiciais e afetar o clima organizacional.

Além disso, nenhuma empresa gostaria de ter seu nome vinculado a práticas de assédio.

O respeito no ambiente organizacional é inegociável, e qualquer ação ou fala deve sempre considerar o consentimento da outra parte.

Esperamos que nosso conteúdo sobre assédio no trabalho tenha lhe ajudado.

Conte sempre conosco em seu processo de desenvolvimento.

Até a próxima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *